Umas horas em Bari e Matera (Itália)

A razão da minha paragem por estas bandas foi visitar os Sassi (pedras) di Matera, as casas/cavernas escavadas na rocha pelos homens. A paisagem rochosa onde se insere forma um profundo canyon e a composição calcária-arenítica sedimentar das rochas faz com que elas sejam facilmente modeladas, o que facilitou a escavação/construção de casas, cisternas e canais nesta cidade única no mundo. Estas "casas", que já existem há cerca de nove mil anos, foram habitadas em permanência até cerca de 1954, ano em que se iniciou a sua desocupação por as mesmas não oferecerem condições de habitabilidade, já que não dispunham de sistema de esgotos e a vala que corria entre elas era utilizada para o lixo e excrementos, o que originava um alto índice de mortalidade. A desocupação só se completou em 1960, altura a partir da qual todos os que aqui viviam passaram a habitar complexos habitacionais construídos para o efeito.
Matera foi classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade em 1993, tendo servido, em 2004, de cenário do filme A Paixão de Cristo de Mel Gibson.

Matera

Festa dos Tabuleiros - Tomar

De quatro em quatro anos, no inicio de Julho, realiza-se em Tomar a Festa dos Tabuleiros que tem a sua origem no culto ao Divino Espírito Santo. Estas festas realizam-se desde o séc. XIV e, com algumas alterações, mantêm-se até aos nossos dias (houve tempos em que se realizou de três em três anos e alturas em que foram de dois em dois...).
Para além das inúmeras festividades, o que mais atrai os visitantes é ver o cortejo dos tabuleiros. São centenas de raparigas transportando cada uma seu tabuleiro (normalmente são 40 tabuleiros por cada uma das 17 freguesias de Tomar, resultando portanto num total de 680). Cada tabuleiro é composto por um cesto de vime, envolto num pano branco bordado, nele são aplicadas 5 ou 6 canas onde estão espetados 30 pães de formato especial com 400 gramas de peso (até há alguns anos atrás o peso de cada pão era de 500 gramas), resultando para o tabuleiro um peso na ordem dos 15... 17 quilos. O tabuleiro deve ter a altura da rapariga que o transporta (que de inicio deveria ser solteira e virgem...).
As fotos que mostro são das duas últimas Festas dos Tabuleiros - 2007 e 2011 - estão misturadas, mas devidamente assinaladas (as de 2007 têm a data inscrita). Se gostaram, esperem... em 2015 há mais!

Tomar

Os Lipizzaners da África do Sul

A raça Lipizzaner surge por volta de 1562 quando o arquiduque Maximiliano começou a criar cavalos de origem espanhola em Lipica, uma aldeia na actual Eslovénia. Foi a necessidade de ter cavalos "militares" com força, lealdade e coragem que o levou a importar cavalos árabes, espanhóis e italianos (há quem diga que no "lote" também havia cavalos Lusitanos), a cruzá-los e a obter assim a que é hoje a famosa raça Lipizzaner.
A história desta raça está ligada à Escola Espanhola de Equitação de Viena, uma das mais antigas e conceituadas escolas de equitação do mundo, onde estes cavalos também são exibidos.
Em 1944, e aqui começa a história dos Lapizzaners da África do Sul, o conde Jankovich-Besan trouxe para Kyalami (sim, muito perto do conhecido circuito automóvel) alguns cavalos Lipizzaners seleccionados, que assim "fugiram" à guerra, dando-se origem à sua criação por estas paragens.
A escola de equitação surgiu aqui nos anos 60, tornando-se a única, fora de Viena, a mostrar exibições com estes cavalos.
Gostava de comentar as exibições dos cavalos (e amazonas... não sei porquê, mas todos os cavalos que vi foram montados/comandados por mulheres!) mas não sei!... fiquem com as fotos.

Os Lipizzaners da África do Sul

Os azulejos da estação de São Bento - Porto

Foi em Janeiro de 1888 que a Câmara Municipal do Porto autorizou que fosse construída a estação de São Bento (tomou o nome do antigo Convento de São Bento que ali existia), satisfazendo assim o anseio da população que queria o caminho de ferro no centro da cidade! Procedeu-se depois à abertura dos túneis, chegando o primeiro comboio a São Bento, ainda sem estação, a 7 de Novembro de 1896. A construção da estação iniciou-se em Outubro de 1900. Tendo sido decidido decorar o frio granito das suas paredes com azulejos, a proposta de Jorge Colaço (o mesmo dos azulejos do Hotel do Buçaco, das igrejas dos Congregados e Santo Ildefonso no Porto, do Pavilhão dos Desportos em Lisboa, etc.) saiu vencedora (Novembro de 1905) sendo o valor da obra fixado em 20 contos de réis! A inauguração da estação, segundo a REFER foi em 1915... mas em todo o lado leio que foi em 1916!?...
Nos últimos anos os painéis foram "intervencionados" e só muito recentemente (Maio de 2011) estão totalmente descobertos e visíveis para toda a gente.
Segundo a revista americana Travel + Leisure é uma das 16 mais belas estações do mundo! (< "clicar" para ver)
Estação de São Bento

120 fotografias de Veneza (Itália)

Veneza a cidade monumento...
Por todo o lado por onde se ande, ou navegue, Veneza oferece cambiantes impossíveis de descrever. O que pretendo aqui mostrar não é Veneza em 120 fotografias, mas sim 120 fotografias de Veneza. Pode parecer quase a mesma coisa, mas não é. Estas são uma pequena parte das fotografias que tirei num passeio apressado por Veneza. Se lá tivesse estado três ou quatro dias, aí sim, talvez conseguisse mostrar... Veneza em mil fotografias!... Poderei resumir este conjunto de fotos do seguinte modo: primeiro mostro a cidade vista do vaporeto (são vistas "rasantes" à água) no percurso entre o Tronchetto e a Praça de São Marco, a seguir esta praça e a Basílica, depois um passeio vendo várias pontes, canais e gondolas, máscaras e flores e, finalmente, as vistas de Veneza vindo do mar (são vistas tiradas do "alto" do convés de um navio)...

120 fotografias de Veneza

Cascatas Vitória (Zimbábue)

As Cascatas Vitória (ou Victoria Falls como são mundialmente conhecidas), uma das 7 maravilhas naturais do mundo, são consideradas por muitos como a parte mais espectacular do rio Zambeze. Classificadas pela UNESCO como Património da Humanidade desde 1989, são, com os seus 1708 metros, as maiores cascatas do mundo. Mais do que possa escrever... as imagens valem por mil palavras...

Victoria Falls

Uma manhã em Dubrovnik (Croácia)

Situada no extremo sul da Dalmácia (Croácia), a cidade de Dubrovnik está na ponta do istmo com o mesmo nome e é um dos destinos turísticos mais frequentados no Mar Adriático. Com pouco mais de trinta mil habitantes, a cidade, dado o seu enquadramento, muralhas e traçado é também conhecida como Atenas eslava, pérola do Adriático,... As suas imponentes e bem conservadas muralhas, a sua arquitectura medieval, as suas igrejas, ruas e escadas, os seus cafés e restaurantes,... enfim, o seu ambiente, por certo contribuíram para que em 1979 toda a cidade muralhada passasse a ser classificada como Património Mundial pela UNESCO.
As fotos que mostro retratam um pouco do que é a cidade muralhada, mostram o que foi possível ver nas 3... 4 horas que por lá andei...
Deixo uma frase de George Bernard Shaw que caracteriza bem a cidade: Se querem ver o paraíso na terra, visitem Dubrovnik!

Dubrovnik